CORPSE PARTY -Rebuilt-

Corpse Party Rebuilt

 

Alguns de vocês mais antenados no mundo dos RPG Maker Horrors, ou mesmo dos mangás/animes com temas gore, já conhecem a série Corpse Party.

Em uma explicação muito resumida (e muito preconceituosa da minha parte, admito), Corpse Party é “uma série de jogos de RPG survival horror cheia de putaria que também virou mangás e animes survival horror cheios de putaria”. Basicamente aquela coisa que você não quer estar jogando ou assistindo a hora que sua mãe entrar no quarto.

Mas antes disso tudo, Corpse Party foi um simples survival horror feito em 1992, por um estudante chamado Makoto Kedouin, usando o antigo RPG Tsukūru Dante 98. O jogo era bem simples, com puzzles simples e uma única batalha no jogo inteiro, mesmo assim tinha uma ótima história:

Cinco estudantes decidem ficar na escola após o final de um festival cultural para contar histórias de terror. Isso já seria assustador o suficiente, porém um terremoto faz com que o chão desabe e eles caiam no que eles acreditam que seja uma parte abandonada da escola. Porém, eles logo descobrem que na verdade estão em outra dimensão, habitada por espíritos atormentados que foram sugados e mortos pela escola amaldiçoada que, aparentemente, tem ligação com o Além.

Talvez hoje em dia essa linha de narrativa esteja um pouco antiquada, mas para os amantes do terror clássico é um prato cheio. E para os jogadores clássicos também, afinal, esse remake pode ser de 2011, mas o original já tem quase 20 anos!

Não tenho dúvidas de que esse jogo influenciou todo o nicho de RPG Maker Horrors que hoje em dia conhecemos e amamos. E é por isso que, apesar da simplicidade, recomendo muito esse remake.

 

Disponível para: PC
Desenvolvedora: Anônimo (CORPSE PARTY -Rebuilt-, remake feito sob permissão da Team GrisGris), KENIX SOFT (a versão original para NEC PC-9801)
Tempo de Jogo: 3 horas
Gratuito

Patrícia Sato

About Patrícia Sato

Game Designer por formação, Artista por vocação, Cozinheira por diversão e Cat Lady por definição.

Leave a Reply