Uma (não tão) Breve Homenagem a Satoru Iwata

Satoru Iwata, President of Nintendo Co., Ltd., poses during an interview after Nintendo's E3 presentation of their new Nintendo 3DS at the E3 Media & Business Summit in Los Angeles June 15, 2010. Japan's Nintendo Co Ltd on Tuesday took the wraps off a new version of its DS handheld device that can play games and show movies in 3D without glasses, in an effort to revitalize demand. REUTERS/Phil McCarten (UNITED STATES - Tags: SCI TECH BUSINESS)

“No meu cartão de visitas, eu sou um presidente corporativo. Na minha mente, eu sou um desenvolvedor de jogos. Mas no meu coração, eu sou um gamer.

– Satoru Iwata

 

No dia 12 de julho de 2015, a Nintendo anunciou a morte de seu presidente-executivo, Satoru Iwata, de 55 anos.

Não posso expressar o quanto essa notícia me pegou de surpresa. Eu, na verdade, fiquei sabendo na segunda de madrugada, por uma mensagem do Vini:

“Pa, o Iwata morreu.”

É meio estranho pensar no impacto que a morte de uma pessoa que eu nem conheço pessoalmente pode causar. Muito provavelmente isso ocorre porque também a vida dessa pessoa influenciou as nossas próprias vidas. Como explicar para uma pessoa que não é gamer o que significa a morte de Satoru Iwata? Porque ficar tão abalado com a morte de um game designer japonês?

Para a minha mãe eu disse “É como se o Ayrton Senna da Nintendo tivesse morrido.”

 

“Mas quem foi Satoru Iwata?”

Iwata BananaSe você navega a algum tempo no mundo dos jogos japoneses, com certeza, já sabe quem esse cara é. Mas para os que não sabem:

Iwata foi o quarto presidente da Nintendo, e o único entre eles que também era desenvolvedor de jogos. Também o primeiro a não ter parentesco com o fundador Fusajiro Yamauchi. Antes de presidente da Nintendo, ele também foi presidente da HAL Laboratory Inc. e também auxiliou na fundação da Creatures Inc., ambas afiliadas da Nintendo.

Ainda nessas empresas ele foi responsável por dar vida a várias séries como Kirby e EarthBond. Já na Nintendo ele abraçou ainda mais as produções da empresa e contribuiu para o desenvolvimento de grandes jogos e também para o lançamento de consoles e portáteis.

Iwata também ficou conhecido por sua personalidade amigável e humilde, coisa que ele demonstrou várias vezes durante seu tempo como presidente da Nintendo. Como por exemplo, após as duras críticas durante o lançamento do 3DS, em que Iwata se desculpou pelas falhas do portátil e ainda aceitou uma redução de metade do seu salário, também dando de presente um monte de jogos para quem comprou o portátil.

As aparições, sempre bem humoradas e abertas de Iwata, acabaram por mudar muito a visão da indústria de games sobre a Nintendo. Antes uma misteriosa empresa familiar de Kyouto, agora ela é reconhecida como um símbolo de integração entre jogadores e de diversão sem compromissos.

 

Uma (não tão) Curta Seleção de Jogos (às vezes não tão curtos)

Iwata começou sua carreira como programador, ainda numa época em que era mais comum programadores terem sua fatia no game design, ao invés de simplesmente ficarem exclusivamente internados em linhas e linhas de código.

Durante toda sua vida, Satoru Iwata passou por várias empresas e com isso foi capaz de tocar muitos jogos e séries com sua visão. Talvez, sem ele, Kirby nunca tivesse visto a luz do dia e a HAL Laboratory seria apenas um pedaço perdido de história em algum livro de game design obscuro.

Nessa seção, vou comentar um pouco sobre os que eu julgo mais importantes. E também sobre os que eu mais gosto.

Claro, nós somos um site de jogos curtos, portanto costumamos favorecer essas experiências mais rápidas. Mas, bem, acho que esse post tem direito a algumas exceções.

 

Balloon Fight

Ano de publicação: 1985
Duração: 1 hora
Plataformas: NES, Nintendo 3DS, Wii U
Desenvolvedor(es): Nintendo R&D1
Publisher: Nintendo

Esse provavelmente foi meu primeiro contato com o trabalho de Satoru Iwata, que nesse jogo são as linhas de código. Isso quando eu ainda era pequena, e nem fazia ideia de que o controle na minha mão era de um “console genérico”. (Misericórdia, os pequenos não sabem o que fazem. Nem o que os pais compram. Provavelmente nem eles sabiam na época.)

A simplicidade desse jogo é o que faz dele tão marcante. São homenzinhos em balões, estourando os balões de outros homenzinhos com máscaras estranhas! Como não gostar disso? Embora eu confesse que na época, achava que eram esquilos voadores vs. passarinhos bravos.

A parte boa? Você ainda pode jogar esse clássico pelo Virtual Console!

 

Kirby's Dream Land

Ano de publicação: 1992
Duração: 1 hora
Plataformas: Game Boy, Game Boy Color, Nintendo DS, Wii
Desenvolvedor(es): HAL Laboratory
Publisher: Nintendo

Esse jogo marcou o começo da série do Kirby, personagem de Masahiro Sakurai. Nessa época ele nem era rosa, mas para qualquer um, o jogo era claramente adorável.

Talvez o concept do personagem não tenha surgido de Iwata, mas a ideia desse platformer clássico veio de um desejo que Iwata tinha de criar o “jogo para iniciantes definitivo”. Simples, divertido e “curtinho”.

Pessoalmente, o que eu gosto mais em Kirby é o jeito como ele te faz amar um monstrinho colorido que engole outros monstrinhos e toma os poderes dele. Mas até aí eu também amo dinossauros que engolem monstrinhos e botam ovos pra jogar em outros monstrinhos.

Lembrando que um jogo para iniciantes não quer dizer um jogo pra noobs bobos, mas é uma iniciação. E muita gente admite que a Nintendo é a empresa mais forte na prospecção de novos jogadores.

 

EarthBound

Ano de publicação: 1994
Duração: + de 20 horas
Plataformas: Super Nintendo, Wii U, iOS, PC
Desenvolvedor(es): HAL Laboratory, Nintendo, Ape
Publisher: Nintendo

Um dos meus favoritos nas épocas de criança, apesar de eu só poder apreciá-lo de verdade agora que estou mais velha e entendo um pouco melhor o que é “estar ligado à terra”. (O título da série em japonês é Mother, mãe, como referência a Mother Earth, mãe-terra)

Em seu tempo de trabalho na HAL Laboratory, Iwata fez muitos amigos (assim como ele fez por todo lugar onde passou). Entre eles está Shigesato Itoi, criador da série EarthBound. Suas palavras sobre o falecimento de Iwata refletem bem sua amizade e admiração:

Não importa a despedida, eu penso que o mais correto a dizer é “Nós nos encontraremos novamente.”. Nós somos amigos, então vamos nos ver novamente. Não a nada estranho em dizer isso. Sim. Vamos nos encontrar novamente.

Mesmo que você não tenha tido a chance de colocar em palavras o quão de repente seria, o quão longe você estaria viajando, ou o quanto você foi mais cedo do que pensava, eu sei que você foi vestindo o seu melhor.

 

Pokémon Gold & Silver

Ano de publicação: 1999
Duração: + de 30 horas
Plataformas: Game Boy, Game Boy Advance, Game Boy Color
Desenvolvedor(es): Game Freak
Publisher: The Pokémon Company, Nintendo

Para mim o melhor jogo de Pokémon de todos os tempos! Talvez por causa do impacto que causava na época ter ciclos de noite e dia, muitos pokémons novos, duas regiões para explorar e muito mais cores! (Na época era impressionante, meus jovens.)

Esse jogo também foi uma revolução para a própria Nintendo, graças a Iwata, que desenvolveu o método de compilação que permitiu ter tudo isso, principalmente o dobro de tamanho de mapa, dentro de um único cartucho.

 

Animal Crossing

Ano de publicação: 2001
Duração: + de 60 horas!
Plataformas: GameCube
Desenvolvedor(es): Nintendo EAD
Publisher: Nintendo

Aqui eu preciso ser sincera. Não gosto de Animal Crossing. Sempre achei estranho o jeito desses animaizinhos pedindo favores e te prendendo cada vez mais dentro da cidade.

Mas o Vini nunca iria me perdoar se não falasse um pouco desse jogo aqui.

Então vamos falar do lado bom de Animal Crossing, que curiosamente não fez sucesso no ocidente quando foi lançado. Isso talvez se dê pelo fato de seu gameplay inusual e completamente não violento. Afinal que malícia pode ter em ajudar seus vizinhos bichinhos interesseiros?

Brincadeiras à parte, Animal Crossing é o tipo de jogo que traduz muito bem a que a Nintendo vem. Isso é, criar experiências positivas e divertidas. Como o próprio Iwata.

 

The Legend of Zelda The Wind Waker

Ano de publicação: 2003
Duração: + de 20 horas
Plataformas: GameCube, Wii, WiiU
Desenvolvedor(es): Nintendo EAD
Publisher: Nintendo

Fechando com chave de ouro essa seleção (que deveria ser muito maior a mérito do homenageado), está aqui um jogo que quebrou completamente com o estilo artístico dos anteriores e resolveu tentar algo novo. Não há nada como velejar com o seu barquinho ou voar como gaivota!

Esse foi um dos jogos que Iwata usou para sustentar o Game Cube, assim como Metroid Prime, Animal Crossing e Mario Sunshine. Ao assumir a presidência, Satoru Iwata escolheu se aproximar ainda mais da produção dos jogos e o resultado dessa liderança integrada pode ser vista hoje.

The Wind Waker já foi lançado a mais de 10 anos! E ainda assim continua sendo lindo, não importa como você olha para ele. Também é uma das minhas trilhas sonoras preferidas.

 

E com essas inspiradoras histórias e jogos em mente, nós oferecemos essa sincera homenagem.

Não a um presidente corporativo, mas a um game designer e um líder, que antes de tudo, entendia a ele mesmo como um jogador.

R.I.P Satoru Iwata

Thanks for Playing

Patrícia Sato

About Patrícia Sato

Game Designer por formação, Artista por vocação, Cozinheira por diversão e Cat Lady por definição.

Leave a Reply